Sexo, Sufismo e Mentiras: Quando Olavo é Traído por Sidi

Nesta publicação, o Prometheo Liberto traz ao público aquela carta dentre toda a correspondência trocada entre Olavo de Carvalho/Sidi Muhammad e Martins Lings que é a mais comprometedora. Nela pode-se ver Lings dando as solicitadas instruções a Sidi de como pagar o zakat (esmola), um preceito exotérico do Islã. Ora, se Sidi Muhammad fosse apenas sufi, como ele alega, estaria desobrigado de pagar o zakat, pois tal preceito só deve ser seguido pelos muçulmanos. Assim, a submissão de Sidi Muhammad ao preceito exotérico de pagamento do zakat é uma prova de sua conversão. Lings menciona ainda que Sidi era o líder da comunidade dele. Logo, cabia a ele decidir como usar o dinheiro arrecadado com o zakat. Dito isso, não há mais como sofismar sobre a conversão de Olavo ao Islã.Outro fato desabonador sobre o passado do embusteiro consiste na afirmação de Lings de que as mulheres da tariqa eram iniciadas mediante intercurso carnal com pessoa do sexo oposto. Logo, os rituais da tariqa envolviam relações sexuais. Numa discussão travada com  Caio Rossi pelo Orkut, Sidi Muhammad disse que a tariqa do Schuon era uma esculhambação e havia troca de casais. Acrescentou que, mais cedo ou mais tarde, iria revelar os nomes do tariqueiros que faziam swing. Como Sidi é mitômano, essa informação isoladamente soaria pouco crível, mas após ler-se a carta de Lings, vê-se que é verossímil.  Desse modo, ficam as perguntas:

1) Sidi Muhammad só assistia à iniciação das mulheres ou também participava desse ritual? Sua esposa foi iniciada com o marido ou com algum outro homem?

2) Havia mulheres solteiras na tariqa. Quem as iniciava?  A Sharia não permite que uma muçulmana solteira tenha relações sexuais. Schuon permitia a violação da Sharia em sua tariqa ?

3) O que foi feito das crianças eventualmente geradas nesses bacanais sufi?

4) Qual o interesse honesto haveria em esconder uma supostamente abandonada conversão ao Islã?

Eis a transcrição dos originais da réplica de Martin Lings a consulta prévia do Olavo:
“Dear S. Muhammad.Thank you for your recent letter. Here are the answers to your questions, and to those of Sa. Sahlah, during our telephone conversation.1. The zakat is not an easy matter. In a general way it is 2,5 % of one’s income after taxes, or if one has an independent fortune, one can tax the revenues derived from the interest or income that is drawn from it yearly. In cases of need, where the income barely covers the expenses of life, then one need pay no zakat, obsviously. The zakat can be collected and kept for emergencies, for fuqara who are ill or helpless, for travel to Bloomington, for fuqara who do not have enough to live on, etc. The leader of the community can decide how to use it — in this case, you. Zakat is normally paid once a year, after Ramadan, but it is enough to pay once a year. Those who cannot pay money, can offer zakat in other ways: basically by helping others, in an informal manner. Those who feed others a great deal can also be considered to be paying a zakat.2. Since there are only three of you who are initiated, you cannot chant the Name aloud. You may lead a chant of the Shahadah ( first Shahadah ) instead: 100, 300, 500 … 1000 times. Then you may keep a long silence to invoke silently. The women do not have to be in a different room, simply in back of the men, as in Bloomington.3. The woman is initiated by man during the sexual act – assuming no interference by birth-control devices. There is no initiation apart from this contact.4. For the French editions of Understanding Islam and The Transcendent Unity, you must contact “Edition du Seuil” 27 rue Jacob 75261 Paris. As you know, one should use the 1979 edition ( the newest ) of Transcendent Unity, since the Shaykh revised the older edition.5. S. ‘Abd al Aziz = Hernan Cadavid – 208 S. Jefferson St.    S. ‘Abd al Latif = Michael Pollack 3280 Inverness Farm Rd.Both are in Bloomington, IN 47401.6. We do not yet know when exactly S. Abu Bakr is coming. But he usually comes the last week in August through the first week in September. And yes, it is all right if all five of you come.One small correction, Sidi: one should not say, “Je prie Dieu qu’il soit toujours satisfait de vous” to the Shaykh. No doubt your intention was to follow the Arabic “radiya ‘Lláhu anhu”, which is normally said or written after the names of saints. But it is only done after the saints has died. It is best left in such cases in the Arabic, rather than translated, as it sounds peculiar in a European context, and really makes sense only in Arabic, owing to its Koranic connotations. For the Shaykh it is enough to say, “may God bless you always”, or something of the kind.We often think and speak of you, and we all hope you will be able to visit us again soon. Please algo give my best greetings to S. Abd Allah and the other Friends.With all my best wishes.Abu Bakr Siraj Ad-Din  (Martin Lings)”

Nesta publicação, o Prometheo Liberto traz ao público aquela carta dentre toda a correspondência trocada entre Olavo de Carvalho/Sidi Muhammad e Martins Lings que é a mais comprometedora. Nela pode-se ver Lings dando as solicitadas instruções a Sidi de como pagar o zakat (esmola), um preceito exotérico do Islã. Ora, se Sidi Muhammad fosse apenas sufi, como ele alega, estaria desobrigado de pagar o zakat, pois tal preceito só deve ser seguido pelos muçulmanos. Assim, a submissão de Sidi Muhammad ao preceito exotérico de pagamento do zakat é uma prova de sua conversão. Lings menciona ainda que Sidi era o líder da comunidade dele. Logo, cabia a ele decidir como usar o dinheiro arrecadado com o zakat. Dito isso, não há mais como sofismar sobre a conversão de Olavo ao Islã.Outro fato desabonador sobre o passado do embusteiro consiste na afirmação de Lings de que as mulheres da tariqa eram iniciadas mediante intercurso carnal com pessoa do sexo oposto. Logo, os rituais da tariqa envolviam relações sexuais. Numa discussão travada com  Caio Rossi pelo Orkut, Sidi Muhammad disse que a tariqa do Schuon era uma esculhambação e havia troca de casais. Acrescentou que, mais cedo ou mais tarde, iria revelar os nomes do tariqueiros que faziam swing. Como Sidi é mitômano, essa informação isoladamente soaria pouco crível, mas após ler-se a carta de Lings, vê-se que é verossímil.  Desse modo, ficam as perguntas:

1) Sidi Muhammad só assistia à iniciação das mulheres ou também participava desse ritual? Sua esposa foi iniciada com o marido ou com algum outro homem?

2) Havia mulheres solteiras na tariqa. Quem as iniciava?  A Sharia não permite que uma muçulmana solteira tenha relações sexuais. Schuon permitia a violação da Sharia em sua tariqa ?

3) O que foi feito das crianças eventualmente geradas nesses bacanais sufi?

4) Qual o interesse honesto haveria em esconder uma supostamente abandonada conversão ao Islã?

Eis a transcrição dos originais da réplica de Martin Lings a consulta prévia do Olavo:
“Dear S. Muhammad.Thank you for your recent letter. Here are the answers to your questions, and to those of Sa. Sahlah, during our telephone conversation.1. The zakat is not an easy matter. In a general way it is 2,5 % of one’s income after taxes, or if one has an independent fortune, one can tax the revenues derived from the interest or income that is drawn from it yearly. In cases of need, where the income barely covers the expenses of life, then one need pay no zakat, obsviously. The zakat can be collected and kept for emergencies, for fuqara who are ill or helpless, for travel to Bloomington, for fuqara who do not have enough to live on, etc. The leader of the community can decide how to use it — in this case, you. Zakat is normally paid once a year, after Ramadan, but it is enough to pay once a year. Those who cannot pay money, can offer zakat in other ways: basically by helping others, in an informal manner. Those who feed others a great deal can also be considered to be paying a zakat.2. Since there are only three of you who are initiated, you cannot chant the Name aloud. You may lead a chant of the Shahadah ( first Shahadah ) instead: 100, 300, 500 … 1000 times. Then you may keep a long silence to invoke silently. The women do not have to be in a different room, simply in back of the men, as in Bloomington.3. The woman is initiated by man during the sexual act – assuming no interference by birth-control devices. There is no initiation apart from this contact.4. For the French editions of Understanding Islam and The Transcendent Unity, you must contact “Edition du Seuil” 27 rue Jacob 75261 Paris. As you know, one should use the 1979 edition ( the newest ) of Transcendent Unity, since the Shaykh revised the older edition.5. S. ‘Abd al Aziz = Hernan Cadavid – 208 S. Jefferson St.    S. ‘Abd al Latif = Michael Pollack 3280 Inverness Farm Rd.Both are in Bloomington, IN 47401.6. We do not yet know when exactly S. Abu Bakr is coming. But he usually comes the last week in August through the first week in September. And yes, it is all right if all five of you come.One small correction, Sidi: one should not say, “Je prie Dieu qu’il soit toujours satisfait de vous” to the Shaykh. No doubt your intention was to follow the Arabic “radiya ‘Lláhu anhu”, which is normally said or written after the names of saints. But it is only done after the saints has died. It is best left in such cases in the Arabic, rather than translated, as it sounds peculiar in a European context, and really makes sense only in Arabic, owing to its Koranic connotations. For the Shaykh it is enough to say, “may God bless you always”, or something of the kind.We often think and speak of you, and we all hope you will be able to visit us again soon. Please algo give my best greetings to S. Abd Allah and the other Friends.With all my best wishes.Abu Bakr Siraj Ad-Din  (Martin Lings)”

Fonte da publicação original: https://libertoprometheo.blogspot.com/2014/06/sexo-sufismo-e-mentiras-quando-olavo-e.html?fbclid=IwAR1XwJ7dQNDn12e49AOXvErbQTiJcWSIZpkN3x5wwKTIOO4CynWoVjh3qPg

Prometheo Liberto

quarta-feira, 4 de junho de 2014

VERBORRAGIA PORNOGRÁFICA FUNDAMENTA O MAU COMBATE DE OLAVO

Alguns olavistas diziam que toda pornografia que aparecia com o nome de Olavo de Carvalho advinha de perfil fake, mas depois que sua filha Heloisa começou a militar contra a seita do Olavismo, ficou difícil para o astrólogo confundir as pessoas e agora não é mais novidade que o seu ritual de baixarias verbais diárias na Internet façam mesmo parte do seu magistério político-religioso.

Vale refletir, entretanto, sobre a seguinte questão: se Olavo é mentor de cursos para padres e vende mais de setenta títulos de seus livros em uma pretensa editora católica chamada Ecclesiae, sem ter título algum, nem mesmo escolar, fica a pergunta: “Por que Olavo é tão destemido ao misturar Catolicismo com bizarrices sexuais, sem que suas atitudes blasfemas lhe acarretem consequências como, por exemplo, a excomunhão?”

A resposta é simples, Olavo tende a intimidar o clero católico ao dizer em um de seus vídeos que ninguém é santo. Afirma ele: “Santo mesmo eu nunca vi”, e para justificar suas fanfarrices sexuais verborrágicas ele diz ainda: “O que vai me absorver é a misericórdia divina”. Subliminarmente, Olavo tende a postular que o pecado é natural e impossível de ser combatido. Ele se esquece, porém, que todos os santos do Catolicismo chegaram à perfeição ainda em vida, santificação essa que corresponde ao Evangelho, segundo as palavras de Cristo: “Sede perfeitos como vosso Pai celeste é Perfeito!”. (Mt 5, 48)

Ora, se Cristo nos orienta à perfeição, quem é Olavo para dizer que isto é impossível? Acaso o Catolicismo não conta com um ou vários modelos de santidade perfeita na “hagiografia católica” (história dos santos)? O problema dos olavistas é que ao invés de acreditarem nisto, eles apenas dizem que acreditam, pois na prática o que fazem mesmo é indicação de pastores politizados para os membros da Igreja Católica, a exemplo do bolsonarista Cláudio Duarte, que em uma de suas palestras estimula o povo a fazer sexo oral. Isso mesmo! Os olavistas reclamam tanto que os gays “relativizam” os órgão sexuais, mas eles fazem a mesma coisa! 

Não estou aqui para moralizar, mas já que Olavo diz estudar “religiões comparadas”, deveria comparar então essas discrepâncias didáticas para que a diferença entre Catolicismo-religioso e Protestantismo-político fique bem clara. Afinal, ser um combatente contra o pecado não é relativizar a conduta de órgãos genitais nem odiar comunistas, como fazem os olavistas blasfemos em suas pornografias orais. Aliás, quem precisa de Olavo para saber o que é sexo ou Comunismo, se as próprias encíclicas católicas já fizeram isso? Claro que católico tradicional não é comunista nem apoia promiscuidade sexual, mas é certeza também que nenhum católico verdadeiro prega pornografia verbal nem ódio a comunistas, a exemplo dos olavistas.

O combate espiritual, diferentemente do que prega Olavo, tem a ver com o que ensinava o saudosíssimo Padre Léo, uma pessoa simples e elegante, de fino senso de humor, que experimentou drogas e prazeres mundanos, mas os combatia através do arrependimento sincero e de lições de vida exemplares, não de hilárias palhaçadas sexuais. Pe. Léo tinha ciência de que o Antigo Testamento era eivado de condutas erradas, mas sabia honrar também o que de mais precioso existe nas Sagradas Escrituras. Eis a força do seu testemunho contra o pecado: a Verdade vem da escrita milenar, não de opiniões pessoais! Quanto à escrita de Olavo, essa vem do narcisismo e da adoração ao próprio umbigo.

Segundo Eclesiástico, a santidade implica confissão e contrição bem feitas: “Não te envergonhes de confessar os teus pecados!”, porém, não aconselha ninguém à adesão ao pecado. E o combate espiritual se dá através da justiça, que supõe a correção fraterna e não a negligência, pois independentemente de todos serem pecadores, a autêntica sabedoria se oferece pela oralidade que se opõe à escravidão do pecado. A língua e a linguagem do imprudente, ao contrário, são a sua própria ruína, segundo as Sagradas Escrituras.

O pecado, por sua vez, do ponto de vista da reflexão eclesiástica, não é explicado através de deturpações a respeito de um Deus tirano ou misericordioso, e sim de um Pai piedoso, porém, que não é desprovido de cólera a qualquer momento contra aqueles que adiam a própria conversão, na lama da mentira.

A Verdade, em oposição à mentira, não aponta para este ou àquele partido político, mas para a libertação do pecado. E, ainda segundo Eclesiástico, é necessário domínio próprio e disciplina para que o pecado não esvazie o verdadeiro conteúdo da ciência religiosa, ocasionando a perda da inteligência e da justiça, do mesmo modo que o desvio dos caminhos de Deus promove a sorte dos inimigos. A sabedoria, em contrapartida, quando adquirida com justiça, tem por fim desvendar segredos e cumular a alegria. Assim é e deve ser a eficácia do bom combate, para quem não quer perder este tesouro espiritual.

Olavo, por sua vez, que passa a vida servindo aos poderosos que acumulam tesouros mundanos — enquanto sua filha Heloisa trabalha o tempo todo sozinha e quase passa fome —, não deveria ser um mestre que orienta padres, alunos e discípulos católicos ao bom combate, em nome da Igreja Católica, pois um homem de Mentira não está em condições de pregar a Verdade! (Maria Paulina)

OLAVO DE CARVALHO: CRISTÃO NÃO COME CARNE HUMANA, PONTO.

Eu queria saber se essa gente maluca que se diz cristã comeu a placenta do seu 5 filho nascido esses dias, né mesmo Olavo, já que é habito da família comer placenta com cordão umbilical como fez a sua nora, fato que quando eu questionei publicamente o Olavo nunca se explicou sobre essa prática na sua família próxima, já que Olavo se diz cristão tradicional e casou o filho dentro dos preceitos da religião, mas permitiu essa prática na família próxima a ele. Cristão não come carne humana, PONTO.

OLAVO ATACA VATICANO II

O astrólogo Olavo de Carvalho abre a apresentação de seu livro, “Idiota”, com louvores a “Nelson Rodrigues”, e é bastante comum entre os olavistas a adoração aos seus escritos indecentes. Não seria exagero dizer que ninguém jamais rebaixou tanto a Igreja, as famílias brasileiras e a moral católica como esse escritor, simpatizante do incesto e da pornografia, em suas mais variadas formas, na tentativa de naturalizar o pecado. E é bem possível que a obsessão de Olavo pela sexualidade depravada tenha aí seus precedentes, pois na Sagrada Família é que não está a inspiração de Olavo ao profanar o sexo e a Igreja em suas postagens pervertidas na Internet, todos os dias.

Recentemente, Olavo voltou a atacar o Vaticano II, afirmando que as ideias do Concílio são heréticas. E se ele proferisse essas idiotices apenas para o grupo de fanáticos que o segue, tudo bem; mas não, o astrólogo ministra cursos para padres e faz aliciamento de discípulos católicos na Internet, a fim de que encontrem a verdadeira fórmula de perfeição filosófica em suas aulas, as quais sempre conectam São Tomás de Aquino à astrologia; o mesmo fazem os dois filhos esoteristas do guru, que também ministram cursos e consultas astrológicas para membros do Catolicismo.

Diga-se de passagem, o fato de Olavo e seus dois filhos não terem nem o diploma de ginásio não é o que mais assusta, e sim ele afirmar que já foi mentor de cursos da PUC-SP, onde hoje é professor de Religião o ateu Pondé — que não crê na divindade de Cristo, e que em vídeos atrás fazia grandes elogios a Olavo, afirmando que sua ausência de formação universitária é irrelevante, devido à notoriedade e à influência política do “filósofo”. Talvez Pondé não soubesse naquela época que Olavo é apenas astrólogo, até porque para ser astrólogo ninguém precisa de diploma, basta crer que a terra é plana.

Atualmente, Olavo se esqueceu dos elogios de Pondé a ele e passou a atacá-lo; o mesmo ocorreu com o ator pornô, Alexandre Frota, e com o maçon general Mourão, vice-presidente da República. Ontem, Olavo mandava beijinhos para Frota em um vídeo, dizendo que o Brasil precisa de mais pessoas como ele, hoje, passou a fazer um teatro como se fossem inimigos mortais; o mesmo se dá com general Mourão, a quem Olavo muito apoiou, junto da maçonaria, para que Bolsonaro chegasse à presidência. Mas isso são águas passadas, pois, como diz o ditado: “o brasileiro não tem memória!” 

Heloisa, filha da primeira das três famílias construídas por Olavo, diz que a técnica de confundir as pessoas é uma estratégia do Olavismo. Além dos hangouts que Olavo promovia, em apoio à maçonaria, ele fazia hangouts com Lobão, músico que expôs a própria esposa pelada na capa de um de seus discos, e com o qual o astrólogo tinha grande afinidade ao fazer longos escárnios sexuais em vídeos do Youtube; hoje, eles se atacam na Internet. É, parece que Heloisa está correta sobre as técnicas satânicas do Olavismo. 

Memória é também o que a Igreja Católica está perdendo, neste momento, ao colocar charlatões como Olavo no patamar de sapiência e erudição clerical. Memória é o que o Vaticano perde, ao se esquecer da luta dos santos do Catolicismo contra a heresia. Afinal, como diz Dom Antonio Peruzzo: “Para combater uma heresia, os olavistas acabam criando outra heresia”. É uma pena que esse comentário do bispo tenha sido só um comentário, e não uma bandeira de luta engajada contra esta peste chamada Olavismo Cultural. Memória é o que os bispos não têm mais quando abrem mão da necessidade de investigação, em detrimento da reparação e da excomunhão. (Maria Paulina)

A FARSA DE “SER CATÓLICO”

Padrinho de 1ª Comunhão só existe na Seita do Guru Olavo.

Gente padrinho de primeira comunhão??? só na mesmo na “seita” do Guru que isso existe, pois na Igreja Católica isso não existe.
Provando que não existe padrinho de primeira comunhão vai a lei canônica para quem quer saber a verdade.

Cân. 897 – Augustíssimo sacramento é a santíssima Eucaristia, na qual se contém, se oferece e se recebe o próprio Cristo Senhor  e pela qual continuamente vive e cresce a Igreja. O Sacrifício eucarístico, memorial da morte e ressurreição do Senhor, em que se perpetua pelos séculos o Sacrifício da cruz, é o ápice e a fonte de todo o culto e da vida cristã, por ele é significada e se realiza a unidade do povo de Deus, e se completa a construção do Corpo de Cristo. Os outros sacramentos e todas as obras de apostolado da Igreja se  relacionam intimamente com a santíssima Eucaristia e a ela se ordenam.

Cân. 899 – § 1. A celebração da Eucaristia é ação do próprio Cristo e da Igreja, na qual, pelo mistério do sacerdote, o Cristo Senhor, presente sob as espécies de pão e de vinho, se oferece a Deus Pai  e se dá como alimento espiritual aos fiéis unidos à sua oblação.

Cân. 900 – § 1. Somente o sacerdote validamente ordenado é o ministro que, fazendo as vezes de Cristo, é capaz de realizar o sacramento da Eucaristia.

Cân. 904 – Lembrando-se sempre que no mistério do Sacrifício eucarístico se exerce continuamente a obra da salvação, os sacerdotes celebrem freqüentemente; e mais, recomenda-se com insistência a celebração cotidiana, a qual, mesmo  não se podendo ter presença de fiéis, é um ato de Cristo e da Igreja, em cuja realização os sacerdotes desempenham seu múnus principal.

Cân. 907 – Na celebração eucarística, não é lícito aos diáconos e leigos proferir as orações, especialmente a oração eucarística, ou executar as ações próprias do sacerdote celebrante.

Cân. 908 – É proibido aos sacerdotes católicos concelebrar a Eucaristia junto com sacerdotes  ou ministros de Igrejas ou comunidades que não estão em plena comunhão com a Igreja Católica.

Cân. 913 – § 1. Para que a santíssima Eucaristia possa ser ministrada às crianças, requer-se que elas tenham suficiente conhecimento e cuidadosa preparação, de modo que, de acordo com sua capacidade, percebam o mistério de Cristo e possam receber o Corpo do Senhor com  fé e devoção.

§ 2. Contudo, pode-se administrar a santíssima Eucaristia às crianças que estiverem em perigo de morte, se puderem discernir o Corpo de Cristo do alimento comum e receber a comunhão com reverência.

Cân. 916 – Quem está consciente de pecado grave não celebre a missa nem comungue o Corpo do Senhor, sem fazer antes a confissão sacramental, a não ser que exista causa grave e não haja oportunidade para se confessar; nesse caso, porém, lembre-se que é obrigado a fazer um ato de contrição perfeita, que inclui o propósito de se confessar quanto antes.

Cân. 917 – Quem já recebeu a santíssima Eucaristia pode recebê-la no mesmo dia, somente dentro da celebração eucarística em que participa, salva a prescrição do cânon 921 §2.(perigo de morte)

Cân. 918 – Recomenda-se sumamente que os fiéis recebam a sagrada comunhão na própria celebração eucarística; seja-lhes, contudo, administrada fora da missa quando a pedem por causa justa, observando-se os ritos litúrgicos.

Cân. 919 § 1.- Quem vai receber a sagrada Eucaristia abstenha-se de qualquer comida ou bebida , excetuando-se somente água e remédio, no espaço de ao menos uma hora antes da sagrada comunhão. (exceção  para pessoas idosas e enfermas e quem cuida delas, §3)

Cân. 920 – § 1. Todo fiel, depois que recebeu a sagrada Eucaristia pela primeira vez, tem a obrigação de receber a sagrada comunhão ao menos uma vez por ano.

§2. Esse preceito deve ser cumprido no período pascal, a não ser que, por justa causa, seja confortados com a sagrada comunhão como viático.

Cân. 921 – § 1. Os fiéis em perigo de morte, proveniente de qualquer causa, sejam confortados com a sagrada comunhão como viático.

§ 2. Mesmo que já tenham comungado nesse dia, recomenda-se vivamente que comunguem  de novo aqueles que vierem a ficar em perigo de morte.

§ 3. Persistindo o perigo de morte, recomenda-se que seja administrada a eles a sagrada comunhão mais vezes em dias diferentes.

Cân. 844 §2. Sempre que a necessidade o exigir ou verdadeira utilidade espiritual o aconselhar, e contanto que se evite o perigo de erro ou indiferentismo, é lícito aos fiéis, a quem for física ou moralmente impossível dirigir-se a um ministro católico, receber os sacramentos da penitência, Eucaristia e unção dos enfermos de ministros não-católicos, em cuja Igreja ditos sacramentos existem validamente.

Cân. 924 – §1. O sacrossanto Sacrifício eucarístico deve ser oferecido com pão e vinho, e a este se deve misturar um pouco de água.

§2. O pão deve ser só de trigo e feito recentemente, de modo que não haja perigo algum de deterioração.

§3. O vinho deve ser natural, do fruto da videira e não deteriorado.

Cân. 925 – Distribua-se a sagrada comunhão só sob a espécie de pão ou, de acordo com as leis litúrgicas, sob ambas as espécies; mas, em caso de necessidade, também apenas sob a espécie de vinho.

Cân. 927 – Não é lícito, nem mesmo urgindo extrema necessidade, consagrar uma matéria sem a outra, ou mesmo consagrá-las a ambas fora da celebração eucarística.

Cân. 929 – Sacerdotes e diáconos, para celebrarem ou administrarem a Eucaristia, se revistam  dos paramentos sagrados prescritos pelas rubricas.

Cân. 931 – §1. A celebração eucarística deve realizar-se em lugar sagrado, a não ser que, em caso particular, a necessidade exija outra coisa; nesse caso, deve-se fazer a celebração em lugar decente.

§2. O sacrifício eucarístico deve realizar-se sobre altar dedicado ou benzido; fora do lugar sagrado, pode ser utilizada uma mesa conveniente, mas sempre com toalha e corporal.

Cân. 934 §2. Nos lugares em que se conserva a santíssima Eucaristia deve sempre haver alguém que cuide dela e, na medida do possível, um sacerdote celebre missa aí, pelo menos duas vezes por mês.

Cân. 935 – A ninguém é licito conservar a Eucaristia na própria casa ou levá-la consigo em viagens, a não ser urgindo uma necessidade pastoral e observando-se as prescrições do Bispo diocesano.

Cân. 937 – A não ser que obste motivo grave, a igreja em que se conserva a santíssima Eucaristia seja aberta todos os dias aos fiéis, ao menos durante algumas horas, a fim de que eles possam dedicar-se à oração diante do santíssimo Sacramento.

Cân. 938 – §1. Conserve-se a santíssima Eucaristia habitualmente em um só tabernáculo da igreja ou oratório.

§2. O tabernáculo em que se encontra a santíssima Eucaristia esteja colocado em alguma parte da igreja ou oratório que seja insigne, visível, ornada com dignidade e própria para a oração.

§3. O tabernáculo em que habitualmente se conserva a santíssima Eucaristia seja inamovível, construído de madeira sólida e não- transparente, e de tal modo fechado, que se evite o mais possível o perigo de profanação.

§4. Por motivo grave, é lícito conservar a santíssima Eucaristia, principalmente à noite, em algum lugar mais seguro e digno.

§5. Quem tem o cuidado da igreja ou oratório providencie que seja guardada com o máximo cuidado a chave do tabernáculo onde se conserva a santíssima Eucaristia.

Cân. 939 – Conservem-se na píxide ou âmbula hóstias consagradas em quantidade suficiente para as necessidades dos fiéis; renovem-se com freqüência, consumindo-se devidamente as antigas.

Cân 940 – Diante do tabernáculo em que se conserva a santíssima Eucaristia, brilhe continuamente uma lâmpada especial, com a qual se indique e se reverencie a presença de Cristo.

Cân. 943 – Ministro da exposição do santíssimo Sacramento e da bênção eucarística é o sacerdote ou diácono; em circunstâncias especiais, apenas da exposição e remoção, mas não da bênção, é o acólito, um ministro extraordinário da comunhão eucarística, ou outra pessoa delegada pelo Ordinário local, observando-se as prescrições do Bispo diocesano.